Perfil do Autor

Eugénio Lopes – Engº Eletrotécnico ISEP Portugal

Pesquisando os efeitos adversos para a saúde provocados pela exposição à poluição eletromagnética  gerada por campos e radiação eletromagnética.

e-mail: eugenio.lopes2@gmail.com

Tef:    Brasil      +  55 11  974 950 188

Portugal      + 351  919 115 237

 

47 comentários sobre “Perfil do Autor

  1. Boa Tarde, SR. Eugenio!
    Estou no final do curso de direito, e escolhi o tema Poluição Elewtromagnética e a Saúde humana para minha defesa de monografia de final de curso. Mas estou encontrando grande dificuldade com bibliografia, pouquissima tenho encontrado.
    Fiquei feliz ao encontrar seu site com informações.
    Parabens por alertar a gravidade dessas ondas para o corpo humano, na realidade muitos nem sabem da existencia delas.

    Desde já agradeço.
    Maria do Carmo
    Americana/SP/Brasil

    1. Ol Maria do Carmo,

      Obrigado por seus comentrios no meu blog. Na lngua portuguesa, que eu saiba, no h muita coisa escrita. Por isso estou escrevendo um livro que deve sair em outubro. Sou pesquisador deste assunto desde 2008, por entender que muito importante dar a conhecer tudo isto. Nesta momento estou em So Paulo, capital. Meu mail est no perfil e o meu celular 11 7495 0188. Terei todo o prazer em ajudar naquilo que necessitar. Fico aguardando. Mande seu e-mail e lhe enviarei algumas matrias que tenho escrito. Abraos cordiais, Eugnio

  2. Sr. Eugénio: li tudo. Cada vez mais é preciso levantar a voz,para os “surdos” começarem a ouvir. Fico esperando ansiosa o seu livro. O assunto é por demais importante e pertinente para ser só privilégio dos estudiosos destes assuntos. Os lobbies poderosos que estão por detrás, tentam obstruir o mais que puderem a sua divulgação. Daí a urgencia da maior divulgação.
    Parabens pelo seu empenhamento e, como disse, fico expectante até poder ler seu livro.
    Elsa Lopes
    Porto/Portugal-

    1. Gilberto,
      Vou avisar, sim. Vai ser em breve em São Paulo.
      Vou também responder ao seu mail com detalhe.
      Abraço,

  3. Oi! Sou geógrafo e me preocupo com impactos ambientais e a saúde humana. O assunto abordado no seu texto fui muito relevante para mim. Tenho um questionamento a fazer. Seria possível combater, ou amenizar os sintomas do eletrosmog usando produtos como colchões eletromagnéticos, ou eles seriam mais uma fonte de transtorno? Farei o possível para acompanhar os frutos do seu estudo. Parabéns!

  4. Boa Tarde!

    Também me interesso sobre este assunto e tenho a mesma dúvida suscitada pelo Renato de Jesus.
    Parabéns pelo artigo!

  5. Olá , adorei o blog. Meu nome é Flavio, moro em Brasília, estou começando a estudar a relação dos campos magnéticos e glândula pineal. Estou começando um site de abertura de “consciência “acerca do sistema de escravidão de doenças e consumo que aflige o mundo causado pelo EGO HUMANO e progresso sem respeito às leis da natureza.

    Estou com domínio, http://WWW.OPENMINDNOW.ORG

    Vou começar um site esclarecedor sobre a natureza humana.

    Estou precisando de colaboradores.

    Poderia usar esse seu texto e traduzir para inglês, respeitando os seus direitos autorais, afim de mostrar ao mundo e nosso país a importância de cuidarmos de nos próprios, independente, governo, religião e sistema médico-assistencial.

    Fico no aguardo.

    Meu email: flaviobaars@gmail.com

  6. Fantástico! Parabéns!! Os nocivos efeitos invisíveis do progresso….. Adorei e estou muito ansiosa pelo livro. Muito obrigada!!!! excelente trabalho!!!!

  7. Ola Eugênio,
    Eu posso desligar meus equipamentos, mas meu vizinho dificilmente o fará.
    Vi em uma entrevista sua um aparelho que neutraliza as frequências baixas, onde adquiri-lo?

    1. Infelizmente não há um aparelho que neutralize baixas frequências. Nas baixas frequências existem os campos elétricos, que se diminuem afastando-nos deles, os campos magnéticos, que são mais difíceis de bloquear e a eletricidade suja que se atenua com filtros especiais Graham Stetzer que se fabricam e vendem no Estados Unidos em : http://www.stetzerelectric.com/
      Se tiver mais dúvidas é só perguntar…
      Abraço cordial

      1. Doctor boa tarde, um pergunta esse Stetzereletric é o mesmo de um Estabilizador de tensão aqui no Brasil?

      2. O sistema Stetzerizer foi concebido para eliminar harmônicas e transientes introduzida na rede elétrica, limpando a chamada eletricidade suja. Os filtros são desenhados para filtrar certo tipo de frequências. Não tem nada a ver com estabilizadores de tensão, que como seu nome indica, servem apenas para atenuar flutuações de voltagem na rede. Os filtros GS são eliminadores de sujidade na rede, e como têm capacitores, podem alterar ligeiramente o fator de potência. Espero ter respondido a suas dúvidas. Se não, fico ao dispor. Um abraço

  8. CARO, OBRIGADA.
    ENVIEI-LHE UM E.MAIL COM MINHAS PERGUNTAS, SOBRE COMO BLINDAR MEU APARTAMENTO DAS ONDAS NOCIVAS, OU PELO MENOS DIMINUIR A RADIACAO.
    ATT. MONETTI

  9. São B. Campo, 28/set/2014
    Sr. Eng° Eugenio Lopes , boa noite!
    Pesquisando sobre problemas de saúde provocado por equipamento/poluição magnética, deparei com matéria de sua autoria e comentários. Estou passando por sérios transtornos que parcialmente exponho a seguir::
    Autorizei instalação de armário telefônico em meu quintal/garagem, (início de 2012) ao lado do meu dormitório.
    Havia pequeno barulho dos “coolers” que não me perturbavam. No início de junho de 2012 a empresa esteve o dia todo interagindo no equipamento e tenho certeza trocaram circuitos internos. Iniciou barulho intenso, e desde então não mais consegui dormir, amanheci com zumbido no ouvido e dores no interior do cérebro. Houve lesão no meu sistema auditivo e mais danos à minha saúde. Posteriormente houve fechamento da área feito em alvenaria. O barulho diminui, mais há algo que dói nas entranhas do meu cérebro.
    Não consigo mais permanecer no local (nem por poucos minutos). Ao me aproximar da área ou adentrar o imóvel, sinto sintomas terríveis. Aumenta o zunido no interior do crânio e dores no ouvido e região próxima
    Principalmente lado esquerdo. Tenho certeza que seja indução de algum campo magnético ou radiação.
    É terrível, tenho sofrimento e não sei mais o que procurar.
    É algo que eu sinto talvez em função de haver danos no meu sistema auditivo e neurológico por época do intenso barulho e eu ter ficado no local sem ter o noção/conhecimento do danos que existiam.
    Pela sua interessante matéria, e seu conhecimento, tenho convicção que o sr. Possa me orientar, como é possível realizar algum tipo de medição no local para provar que existe algo me prejudicando.

    Peço gentilmente que me responda, e desde já agradeço.
    atte.. João Bosco

    1. João. Obrigado pelo contato. Vou mandar-lhe um e-mail com meus comentários.
      Como Você, infelizmente, há muita gente já sofrendo com esta praga moderna.
      Vou tentar ajudar. Um abraço

  10. gostaria de saber se ao morar a menos de 300 metros de antena de celular e usar este aparelho stezereeletric estou protegida ?

  11. Elisabeth.
    Os aparelhos que refere, os filtros GS do sistema Stetzerizer, são filtros para atenuar eletricidade suja na rede elétrica da casa. São proteção de contaminação de baixa frequência.
    Antenas de celular perto da casa emitem radiação de alta frequência na faixa das micro-ondas. Essas radiações de altas frequências não são atenuadas pelos filtros GS, e requerem medição do valor da radiação que chega ao interior da sua casa, para determinar que materiais de proteção mais adequados devem ser usados.
    No meu livro “Que Futuro!!! – Os Efeitos da Poluição Eletromagnética Sobre a Saúde”, que vai ser lançado aqui em São Paulo no próximo dia 17 de novembro, vai encontrar todas as informações sobre proteção e dicas de atitudes a adotar para minimizar os riscos.
    O assunto é complexo e requere cuidados porque todos os materiais de proteção são importados e seu custo é importante.
    Qualquer dúvida não hesite em contatar-me. Estou ao dispôr.

  12. obrigada pela logo sua resposta recebida e que estou muito preocupada com o a antena aqui perto de minha casa,sei que o livro ira me ajudar,porem se não for pedir muito e contanto com a sua boa vontade,o senhor ja não me pode dar uma sugestão ? e que tenho filhos muito pequenos que ja estao apresentando problemas com a radiaçao e ate novembro com a publicação do livro e ate tomar as providencias ficarei muito nervosa,desde ja agradeço

  13. sinceramente nao tenho como me mudar de casa devido ao problema financeiro e meus filhos apos esta antena ser instalada aqui perto de casa ficarao o tempo todo doente sem dormirem, com dores constante de cabeça,tem algum aparelho que possa comprar para me ajudar ?por favor me ajude

  14. ja comprei um tecido de fios de prata para colocar na cama deles ,porem como posso o dia todo deixar eles so em suas camas ?

  15. Boa noite sr Eugenio,por favor sera possivel ter um aparelho que mede as radiaçoes de antenas celulares,pois moro perto de uma e estou preocupado e gostaria de comprar um aparelho para medir a radiação DA ANTENA DENTRO DA minha casa,OBRIGADO

    1. Julio. Obrigado pelo seu contato. Vou mandar;lhe um mail com comentarios. Os aparelhos para medir radiaç]ao eletromagn[etica s[o importados. Mas dependendo de seu endereço, talvez eu possa medir. Um abraço;

  16. Sr. Eng° Eugenio Lopes, boa noite! Obrigado pela atenção e retorno. (pedi apoio em 28/09/2014). Continuo sofrendo bastante com o problema que expus e em breve farei contato telefônico com Sr.

  17. Tudo bem , Sr.Eugênio Lopes !!!

    Trabalho com Informática há 20 anos e venho sentindo muita fadiga , indisposição e Ansiedade.
    – Já fiz muitos exames médicos e tudo está normal com a saúde .
    – Acho que estou sensivel a ondas eletromagnéticas.
    Pergunto: Há algum aparelho , pulseira ou tratamento , alguma especialidade médica que possa me ajudar ?
    Agradecido ………. Claudio

  18. Prezado Eugénio Lopes, assim como o Senhor há três décadas passei a me interessar pela poluição eletromagnética, e seus efeitos malevólos, porquanto descobrí-me alérgico à ela, daí pode deduzir minha preocupação e interesse. Tanto que desenvolvi um texto monográfico e o apresentei à uma Audiência Pública realizada pelo STF que buscava subsídios a julgamento de Ações de bairros paulistanos, verificada a 6, 7, e 8/março/13. Após apresentei o referido texto ao Instituto INNOVARE, sob o título: Justiça do Século XXI, POLUIÇÃO ELETROMAGNÉTICA (ou Poluição Invisível), pelo qual recebi Certificação. – Todavia, o melhor é que há 17 (dezessete) anos encontrei um outro pesquisador interessado no desenvolvimento de antídotos e que possui aparelhos e dispositivos NEUTRALIZADORES dessa terrível poluição. Ontem assistindo ao documentário “Degustar a Vida”, resolvi submetê-los a apreciação de Vossa Senhoria, essa a razão do presente comentário. Todavia, poderá nos conhecer melhor em nosso SITE: http://www.eletrions.com – Nosso telefone: (38) 3223 7184 – Celular SEM RADIAÇÃO: (38) 9983 3137, Por favor, NÃO DEIXE DE ENTRAR EM CONTATO, o Planeta Vos agradecerá! – Abraço, Aloízio Rêgo

    1. Obrigado Aloízio por seu comentário. Vou entrar em contato com vocês para ampliar o nosso conhecimento sobre este assunto. Estou muito interessado em aprofundar e analisar os vossos dispositivos neutralizadores. Abraço e até breve

  19. Olá, trabalho num laboratório farmacêutico e em um dos prédios administrativos, após reforma para transformar o ambiente em open space, mais de 100 mulheres foram diagnosticada com lipodistrofia semicircular, um aprofundamento na pele causado pelo derretimento da hipoderme, possivelmente causado pelo campo eletromagnético. O Campo Eletromagnético foi medido, mas notificado pela empresa como dentro dos padrões das nomas brasileiras. Eu fui umas dessas mulheres acometidas e também, por coincidência ou não, venho sofrendo com tendinite, facite plantar e sinovite nos dois pés apesar de não ser esportista. Os médicos desconfiaram de artrite reumatoide mas todos exames de sangue deu negativo. Essa é uma situação de alerta para a população e empresas em processo de expansão de tecnologia. E infelizmente a população não foi alertada, ao contrário disso, apesar de medidas terem sido tomadas pela empresa, ficamos desamparados e intimidados. Votamos a trabalhar no ambiente, alguns nem foram retirados dos locais, expostos ao campo eletromagnético continuamente. As medidas tomadas reduziram a lipodistrofia semicircular mas ainda não me sinto segura em trabalhar no local.

    1. Obrigado pelos comentários.
      Infelizmente a nossa medicina tem muito pouco conhecimento sobre estes assuntos e,por isso, não sabe abordar os problemas da maneira mais correcta. Por outro lado, as medidas que se fazem nos locais de trabalho referem-se a limites de segurança ultrapassados. A Anaac e Anatel seguem os parâmetros do ICNIRP, que foram estabelecidos em 1999, e obsoletos hoje em dia. Por exemplo: ICNIRP para Campos Elétricos de 60 Hz = 4.166 V/m, quando o nível saudável atual recomendado pela comunidade científica = 1 V/m
      Para Campos Magnéticos, ICNIRP = 83.333 nT (nanoTesla) quando o nível saudável é 1o nT

      Na Europa, por exemplo já se abordam estes problemas de uma outra maneira, veja em
      http://www.mapfre.com/fundacion/html/revistas/seguridad/n123/articulo1.html

      Espero tenha ajudado.
      Sempre ao dispor
      Eugénio

  20. Peço escusas ao Dr. Eugénio Lopes, e passo a comentar à “tucamhs”. Estudos e pesquisas apontam a Poluição Eletromagnética como responsável por mais de 60% dos males que acometem a humanidade. O acúmulo d’ela nas células faz desencadear o mal ao qual o indivíduo seja predisposto geneticamente…

  21. Obrigada pelas informações!!! São imprescindíveis para um trabalho que devo desenvolver aqui na Secretaria Estadual da Saúde/RS, (Rio Grande do Sul).
    Coordeno as Práticas Integrativas e Complementares numa regional da saúde do RS e quero continuar recebendo informações…para divulgar os malefícios da contaminação eletromagnética, conto com o senhor.
    Agradecida
    GRACIANA

  22. Caro Dr. Eugenio,

    De há uns tempos para cá tenho-me interessado mais por este tema da poluição electromagnética, por questões de saúde (tenho 2 filhas, uma pequena) e não só. Sempre achei que não é por ignorarmos as coisas que elas deixam de existir. É dificil encontrar alguém que tivesse estudado a “matéria” e não ficasse a compactuar (nem que seja por fechar os olhos) com o sistema.
    Gostaria de saber como adquirir o seu livro e também como medir as radiações em casa.
    Muito obrigada,
    Cecília Costa

    1. Obrigado pelo contato Cecília.

      Para tentar ajudar gostava que me indicasse onde se encontra. Estou em São Paulo, capital. Se estiver ao meu alcance poderia medir sua casa e aconselhar quais as medidas que poderiam ser tomadas.
      O meu livro pode ser adquirido por: http://livrariadaschoba.com.br/livro-que-futuro-os-efeitos-da-poluicao-eletromagnetica-sobre-a-saude-eugenio-lopes.html

      Qualquer dúvida me contate por meu e-mail: eugenio.lopes2@gmail.com

      Se está em Portugal, vou estar uns tempos por aí em agosto até novembro.

      Abraço
      Eugénio

  23. Estou morando em um sítio na cidade de São Roque, como faço para medir a poluição eletromagnéticas por aqui?

  24. Prezado Sr. Eugênio Lopes,

    Recentemente li seu livro intitulado: ‘Que futuro!!! Os efeitos da poluição magnética sobre a saúde’. Surpreendentemente ele estava disponível na versão eletrônica! Que foi a que eu escolhi para compra. Surpreendentemente, porque se o Sr. Acredita em tudo que esta no seu livro deveria autorizar somente a versão impressa.

    Não posso concordar com o que o está escrito por vários fatores, que levariam várias páginas, vou mencionar os principais. Um deles é o efeito fotoelétrico, explicado brilhantemente por Albert Einstein em 1905, que ao se considerar as ondas eletromagnéticas como composta por partículas, os fótons, explica porque abaixo do limiar da frequência do ultravioleta não há como as ondas eletromagnéticas (luz visível, infravermelho, micro-ondas, etc.), independente da intensidade, ionizar a matéria e com isso produzir radicais livres, que poderiam provocar o aparecimento de células neoplásicas, ou seja, câncer. Não esquecendo que a palavra câncer é o nome genérico de vários tipos de doença. O efeito fotoelétrico não é descrito em nenhuma parte do seu livro, embora ele seja de extrema importância para entender a diferença entre a interação da radiação ionizante (do ultravioleta em diante) e da não ionizante (abaixo do ultravioleta) com a matéria.

    Mas a argumentação central é que as radiações não ionizantes ao agitar os radicais livres já existentes nas células do corpo as estressariam, inclusive produzindo mais radicais livres durante esse estresse, que também estariam sujeitos a serem agitados pela radiação não ionizante incidente, que produziriam mais radicais livres, provocando um efeito crescente. Segundo o seu livro esse seria o mecanismo que desencadearia várias doenças degenerativas, como câncer, Alzheimer e Parkinson. Bem, isso não ocorre, porque a energia da agitação dos radicais livres já presentes em nossas células não é suficiente para produzir mais radicais livres. O simples fato de andar já chacoalha nossas células e, consequentemente, os radicais livres em uma amplitude bem maior e isso não cria mais radicais livres. Assim como outros aspectos do nosso cotidiano como passar muito calor ou muito frio. Alimentos fritos são fontes muito mais significativas e certas de entrada de radicais livres em nosso corpo, por isso é conveniente evita-los.

    No excelente livro do Físico Robert Parker: Voodo Science, Oxford University Press, 2000, capitulo 7 há uma excelente explanação sobre o assunto. Nele se vê que o departamento de defesa dos Estados Unidos da América estuda os efeitos das radiações não ionizantes desde a década de 50. O motivo é simples, o governo queria saber se elas afetariam a saúde de seus soldados, já que a presença dela aumentava a cada ano em equipamentos de radar e de comunicação pessoal. Houve experimentos sofisticados e caros, como a irradiação de uma população de macacos em cativeiro 24 horas por dia, por cerca de uma década com altas intensidades de radiação de micro-ondas e sua comparação com outra que não era irradiada. Não foi encontrada diferença significativa. Ou a pesquisa sobre a saúde de eletricitários na França e no Canadá em que também não foi encontrada maiores incidências de problemas de saúde em relação à média da população.

    Com relação aos artigos citados no seu livro mostrando correlações entre o surgimento de doenças degenerativas e a exposição às radiações ionizantes, se deve ao fato que as revistas científicas preferem publicar artigos que apresentem correlação, quando a conclusão é que não há correlação esses artigos são recusados. Em outras palavras, a grande maioria dos artigos mostra que não há correlação entre exposição às radiações não ionizantes e o aparecimento de doenças degenerativas, mas seus autores nem os enviam para publicação porque sabem que a probabilidade de recusa é grande. Isto é uma discussão atual na área médica, recomendo os artigos da revista Ciência Hoje que abordam esse tema:

    Confiabilidade em crise – até onde podemos acreditar na literatura científica, Olavo Bohrer Amaral, número 303, p. 18 a 23, maio de 2013

    Abrindo gavetas, Olavo Bohrer Amaral, número 328, v. 55, p. 50 a 51, agosto de 2015

    Outro fato curioso é que na área de radiações ionizantes (minha área) os olhos são uma parte muito sensível do corpo humano, por isso que limites ocupacionais de dose estabelecidos para eles são menores do que para as demais partes. Afinal eles estão expostos, não há camada de pele protegendo-os (a exceção de quando estamos piscando) e tem grande quantidade de água e sais e um dos primeiros sintomas de curto prazo à exposição a doses altas de radiação ionizante é uma sensação de queimação neles (e a médio prazo a formação de catarata). Mas no seu livro não é relatada nenhuma enfermidade neles causada pela exposição às radiações não ionizantes.

    Esses entre vários outros motivos é porque não posso acreditar nas conclusões do seu livro.

    Respeitosamente

    Físico Ary de Araújo Rodrigues Júnior
    Doutor em Tecnologia Nuclear Aplicações
    Professor adjunto do Departamento de Física
    Universidade Estadual de Maringá

  25. A poluição eletromagnética possibilita a tortura por rádio frequência, utilizando antenas de telefonia móvel, satélite e o cérebro humano, é possível ler os pensamentos de uma pessoa em tempo real, o crime organizado utiliza essa tecnologia no narcotráfico e para fins de tortura e assassinato de cidadãos inocentes. Os criminosos adentram o cérebro humano 24 hs a conexão pode vir de várias pessoas ao mesmo tempo, leitura do córtex visual através da interface cérebro computador. Essa tecnologia por satélite é controlada por uma rede global de criminosos, pessoa alguma está isenta de ser conectado e se tornar uma vítima. Leiam mais v2k technology, synthetic telepathy, voice to skull technology, nano implant brain radar, microwaves in remote neural monitoring, mind control an silent sound, mk ultra Brasil, gang stalking world, Psychotronic Weapons.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s