Wi-Fi Proibido

Wi-Fi Proibido em Berçários na França

NOTÍCIAS RECENTES DA POWERWATCH.ORG

http://www.powerwatch.org.uk/news/2015-02-05-france-wifi-restrictions.asp?pf=1

2015/05/02 – Wi-Fi proibido em berçários na França

Em um movimento sem precedentes, a França aprovou uma lei sobre a exposição de crianças a tecnologias sem fios, proibindo totalmente Wi-Fi em ambientes de berçários/creche e restringindo o uso nas escolas primárias apenas para serem ativados quando efetivamente sejam usados para fins educativos.

Isso não só demonstra consciência e atitude proativa para mitigar os danos potenciais da exposição a campos eletromagnéticos de radiofrequência, como também demonstra a primeira aplicação do princípio da precaução no que diz respeito à gestão da invasão e domínio das tecnologias sem fio.

Principais pontos do projeto de lei

  • Pontos de acesso/roteadores devem ser banidos de berçários e creches
  • Pontos de acesso sem fio/roteadores devem ser desativados nas escolas primárias, quando não estejam em uso ativo
  • Os anúncios de telefonia móvel deve incluir uma recomendação de dispositivos (como fones de ouvido) para reduzir a exposição junto à cabeça dos usuários
  • Todos os locais públicos que oferecem Wi-Fi devem anunciar claramente o fato, na entrada dos locais
  • Todos os dispositivos sem fio devem conter instruções claras sobre como desativar a sua funcionalidade sem fio

Tradução do francês da cobertura nacional da nova lei (Tradução cortesia da Google e Andre Fauteux)

Depois de dois anos, a lei que regula a exposição da população aos campos eletromagnéticos gerados por tecnologias sem fios (estações de base, celulares, tablets…) foi adotada pelos membros da Assembleia Nacional, quinta-feira 29 janeiro no final da manhã. Foi votado por toda a maioria, enquanto o Partido UDI se absteve – exceto Bertrand Pancher (Meuse) que votou a favor – e a UMP votaram contra, vendo-a como uma barreira para o desenvolvimento do sector digital.

Esta lei – a primeira na França a estabelecer uma abordagem de precaução face aos riscos potenciais para a saúde das frequências de rádio – uma verdadeira corrida de obstáculos, durante a qual as suas ambições iniciais foram seriamente depreciadas. A proposta, apresentada em janeiro de 2013 pelo MNA de Val-de-Marne, Laurence Abeille (Europe Ecologie-Verdes) foi encaminhada à comissão pelos socialistas, antes de voltar para a Assembleia Nacional, em janeiro de 2014, sob uma forma atenuada, e depois de ser aprovada em primeira leitura pelo Senado em junho de 2014.

Apesar destes contratempos sucessivos, o grupo ambientalista decidiu submeter o projeto a votação para evitar seu retorno ao Senado, onde ele teria sofrido, provavelmente, novos atrasos e cortes.  Sua adoção é, portanto, final e, congratula-se o Sr. Abeille, “os decretos deverão ser aplicados sem mais demora”.

Não baixar os limites

Finalmente, a “Lei sobre a sobriedade, a transparência, informação e consulta para a exposição às ondas eletromagnéticas” aparece como um compromisso entre os defensores de uma supervisão mais rigorosa dos operadores do sector da telefonia sem fio, contrários a qualquer obstáculo regulamentar. ”O presente texto não responde plenamente a todas as questões, reconhece o MNA Verde, mas é, no entanto, um primeiro passo essencial”.

A principal novidade é a introdução na lei francesa de um princípio de “sobriedade” da exposição da população aos campos eletromagnéticos. Por virtuoso que seja este princípio, no entanto, permanece vago e não vinculativo. É, portanto, já não uma questão da redução dos limites de exposição em vigor, que, dependendo das frequências envolvidas, são entre 41 e 61 volts por metro (V /m), enquanto a proposta original era destinada a baixá-los de volta para “um valor tão baixo quanto razoavelmente possível”, ou 0,6 V /m.

Hot spots

A Agência Nacional de Frequências (AFNR) vai, no entanto, fazer a cada ano um censo nacional de “pontos atípicos” ou “locais onde o nível de exposição pública é substancialmente superior ao que é geralmente observada em escala nacional”. Os operadores terão de saná-las no prazo de seis meses, “sujeito à viabilidade técnica”.

A exposição média na França é agora cerca de 1 V / m, mas um estudo do Comité de Operações em ondas móveis (Copic), cobrindo dezesseis representativos municípios do território francês e publicado em 2013, relataram alguns picos de exposição “de até 10 V /m na potência máxima do transmissor”, mesmo que os níveis permaneceram abaixo de 0,7 V / m em 90% dos casos. O AFNR considera estes lugares agora como atípicos, onde a exposição excede 6 V / m.

Em matéria de transparência, a instalação de antenas agora estará sujeito a aviso prévio aos prefeitos e presidentes de entidades intermunicipais. E estes podem, por sua vez – mas não necessariamente – organizar uma consulta com os residentes. Além disso, uma campanha de “sensibilização e informação sobre o uso responsável e racional dos dispositivos móveis” deverá ser conduzida.

Wi-Fi proibida em berçários

Uma seção da lei é dedicada à proteção dos bebês. Os dispositivos sem fio serão proibidos em “espaços dedicados ao cuidado, repouso e atividades de crianças menores de três anos”, ou seja, berçários e creches. No entanto, ao contrário do desejo inicial de ambientalistas, Wi-Fi permanecerá permitida nas escolas primárias. No entanto, terá que ser desativado fora “atividades educacionais digitais”.

Finalmente, a situação muitas vezes dramática de pessoas que sofrem de eletrossensibilidade recebe consideração prioritária. O governo terá de apresentar um relatório ao Parlamento sobre esta questão dentro de um ano.

Associações “antirradiação eletromagnética” preferem considerar um copo meio cheio e não meio vazio.

“Este ato, que é o primeiro dedicado à questão das ondas eletromagnéticas e seu impacto sobre o meio ambiente e saúde, marca um primeiro passo para o reconhecimento legal da necessidade de regular o desenvolvimento das comunicações de telefonia móvel e todas as tecnologias sem fio”, diz a associação para a regulamentação de estações base de telefonia móvel (Priartem). Em sua opinião, “este primeiro esforço legislativo deve ser um incentivo para ir mais longe à proteção das pessoas”.

Recomendação de cautela

Este ato chega a um contexto de desenvolvimento acelerado de fontes de campos eletromagnéticos, em especial, com a implantação de comunicações móveis de muito alta velocidade 4G. Desde o 1º de janeiro de 2015, ANFR indica o número de estações de base de 4G autorizadas em França, para todos os operadores, 18.699 – em comparação com 12.525 no ano anterior – e 15.424 estão já em serviço.

Se não houver consenso científico em torno dos riscos potenciais à saúde causado por exposição a radiofrequências, muitos estudos e opiniões recomendam cautela. Em 2011, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou-os como “possivelmente cancerígenos”. E em 2013, a Agência Nacional de Segurança e Saúde da Alimentação, Ambiente e Trabalho (ANSES) recomendou: “limitar a exposição da população ás radiofrequências – especialmente a partir de telefones móveis e particularmente para crianças e usuários frequentes”. A ANSES recomendou, também: “controlar a exposição global da radiação de estações de base da telefonia celular”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s